‘Cinturão de calor extremo’ cobrirá metade dos EUA até 2053: relatório


WASHINGTON: Uma área de clima intensamente quente – o chamado “cinturão de calor extremo” – com pelo menos um dia por ano em que o índice de calor atinge 125 Fahrenheit (52C), deverá cobrir uma região dos EUA que abriga mais de 100 milhões de pessoas até o ano de 2053, de acordo com um novo estudo.
A pesquisa, realizada por uma organização sem fins lucrativos Fundação da Primeira Ruausou um modelo revisado por pares construído com dados públicos e de terceiros para estimar o risco de calor no que eles chamaram de escala “hiperlocal” de 30 metros quadrados.
A missão da First Street Foundation é tornar a modelagem de risco climático acessível ao público, representantes do governo e da indústria, como investidores imobiliários e seguradoras.
Uma descoberta chave do estudo foi que o calor excedendo o limiar da Serviço Meteorológico Nacionalcategoria mais alta — chamada “Perigo Extremo“, ou acima de 125F – deveria impactar 8,1 milhões de pessoas em 2023 e crescer para 107 milhões de pessoas em 2053, um aumento de 13 vezes.
Isso abrangeria uma região geográfica que se estende do norte Texas e Louisiana para Illinois, Indiana e Wisconsin – áreas do interior longe do clima mais temperado, muitas vezes visto perto das costas.
O índice de calor, também conhecido como temperatura aparente, é o que a temperatura externa realmente sente para o corpo humano quando a umidade relativa é combinada com a temperatura do ar.
Para criar seu modelo, a equipe de pesquisa examinou as temperaturas da superfície terrestre derivadas de satélites e as temperaturas do ar entre 2014 e 2020, para ajudar a entender a relação exata entre as duas medições.
Esta informação foi posteriormente estudada considerando a altitude, a forma como a água é absorvida na área, a distância até à água de superfície e a distância até à costa.
O modelo foi então dimensionado para as condições climáticas futuras, usando um cenário “no meio do caminho” previsto pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, no qual os níveis de dióxido de carbono começam a cair em meados do século, mas não atingem zero líquido em 2100.
Além dos dias de “Perigo Extremo”, espera-se que áreas em todo o país experimentem temperaturas mais altas, com graus variados de resiliência.
“Esses aumentos nas temperaturas locais resultam em implicações significativas para as comunidades que não estão aclimatadas ao clima mais quente em relação ao clima normal”, disse o relatório.
Por exemplo, um aumento de temperatura de 10% no estado do Maine, no nordeste, pode ser tão perigoso quanto um aumento de 10% no estado do Texas, no sudoeste, apesar das temperaturas absolutas mais altas observadas no Texas.
A maior mudança prevista na temperatura local ocorreu no condado de Miami-Dade, na Flórida, que atualmente vê sete dias por ano em sua temperatura mais alta de 103 Fahrenheit. Em 2053, espera-se que esse número aumente para 34 dias a 103 graus.
E o aumento no uso de ar condicionado que provavelmente resultará de tais picos de temperatura sobrecarregará as redes de energia, alertou o relatório, levando a apagões mais frequentes e duradouros.





Source link